Como o pesadelo americano se torna real

Por Timothy Snyder Há pouco, despertei de um pesadelo sobre o 11 de setembro. Eu visitava o Empire State Building, em Nova York, quando um avião o atingiu pelo flanco. O edifício todo estremeceu por um instante, mas, em seguida, nada mais aconteceu. Eu estava sozinho, sem meus amigos ou minha família, e comecei aContinuar lendo “Como o pesadelo americano se torna real”

Desvendador: a obra de Jandyra Waters

Por Antonio Carlos Suster Abdalla Por ser Jandyra Waters artista de forte personalidade e dona de extensa produção, suas obras são facilmente identificáveis. Ao longo dos muitos anos de atividade, ela conquistou o reconhecimento da crítica, de colecionadores e de admiradores, estando hoje presente em importantes acervos de museus. O que mais se conhece deContinuar lendo “Desvendador: a obra de Jandyra Waters”

A política da montação: Entrevista com Arthur Gomes

Por Márcio Markendorf Figura reconhecida no cenário artístico-cultural brasileiro por causa da Drag Suzaninha, o ator, performer e arte-educador Arthur Gomes dá provas de que a montação é uma prática de artivismo. Não é à toa que também participe como Conselheiro de Cultura LGBTQIA+ no Conselho Municipal de Política Cultural de Florianópolis. Arthur Gomes é,Continuar lendo “A política da montação: Entrevista com Arthur Gomes”

Da esquerda cirandeira ao tio do zap: a antivacina está por toda parte

Por Helder Maldonado Paranóia, misticismo e pessimismo sociocultural são fatores que muito contribuem para o pensamento negacionista e antivacinas. Mas a síndrome persecutória, a conspiração e o sentimento de lutar inconsequentemente pela própria individualidade e contra as interferências governamentais e empresarias na vida familiar são as motivações que mais têm levado as pessoas a recusarContinuar lendo “Da esquerda cirandeira ao tio do zap: a antivacina está por toda parte”

Sérgio Vignes: a alma encantadora das ruas

Fotógrafo desde de 1980, Sérgio Vignes já fez incontáveis trabalhos para publicidade e gastronomia. Hoje, atua como repórter fotográfico. As imagens aqui apresentadas compõem um ensaio pessoal sobre a cidade e seus atores. Quem são, onde estão e o que fazem as pessoas retratadas? O uso do P&B não esconde nenhum mistério: é pura escolhaContinuar lendo “Sérgio Vignes: a alma encantadora das ruas”

Amores expressos

Por Demétrio Panarotto Nos filmes do cineasta honconguês Wong Kar Wai, a solidão é verbo. A sensação que temos é a de que cada personagem pode conjugá-la, dando ênfase, claro, se me permitirem o exagero, aos pronomes bem marcados, como se ela, a solidão, pertencesse à coletividade e ao mesmo tempo pudesse ser consumida individualmente.Continuar lendo “Amores expressos”

Notas subtropicais

Campeã de audiência. A aula inaugural do CCE, ministrada pelo Prof. Kanavillil Rajagopalan, da Unicamp, ultrapassou a marca das mil visualizações no Youtube. Para conferir o vídeo é só clicar em https://youtu.be/DYrj77vtJEY Subtrópicos a mil. O primeiro número da Revista de Cultura do CCE recebeu mais de 1,2 mil visitas. Arte em alta. A primeiraContinuar lendo “Notas subtropicais”

Leticia Ichnaz: vidas sinuosas, gestos viscerais

Artista visual, Leticia Ichnaz recorre a diferentes formas de experimentação sensorial para conceber instalações videográficas, performances e fotografias. Natural de Tubarão, atualmente residente em Florianópolis, começou a pensar e praticar a fotografia como arte e autorretrato aos 12 anos de idade. Desde então, vem desenvolvendo seu trabalho artístico sempre tendo imagens como matéria prima. SuaContinuar lendo “Leticia Ichnaz: vidas sinuosas, gestos viscerais”

Metáfora e fúria

Por Aline Magalhães Pinto Em abril do ano passado, no primeiro mês do que seria nossa longa temporada pandêmica, junto com livros comprados em um sebo, chegou um cartaz com uma imagem da poderosa dançarina de flamengo Carmen Amaya conjugada à citação da escritora e ativista Alice Walker “Tempos difíceis exigem danças furiosas”. Esse conjuntoContinuar lendo “Metáfora e fúria”

Um filósofo itinerante: Entrevista com Eduardo Subirats

Por André Cechinel Eduardo Subirats considera-se um filósofo itinerante. Tem lecionado em Madri, São Paulo, Caracas, México, Cali, Princeton e Nova York. É autor de vários livros sobre estética e crítica artística, teoria crítica da sociedade e crítica do colonialismo: El continente vacío (1994, 2011, 2020), Linterna Mágica (1997), Memoria y exilio (2003, 2016), MitoContinuar lendo “Um filósofo itinerante: Entrevista com Eduardo Subirats”

Crie seu site com o WordPress.com
Comece agora